COMO ELES INTERAGEM COM PLANTAS?

Morcegos, de um modo geral, apresentam quatro tipos de interações básicas com plantas:

  1. o comensalismo, ao utilizarem partes da planta como abrigo, sem causar-lhe prejuízo;
  2. o parasitismo, quando consomem partes da planta sem matá-la, causando-lhe prejuízo;
  3. a predação, caso matem as sementes ao consumirem os frutos;
  4. o mutualismo, quando ambas as partes de beneficiam da interação, por exemplo na polinização.


Tendo em vista que o comensalismo não afeta a planta, o parasitismo não chega a ser muito intenso e predação também não é muito forte (já que os morcegos não costumam danificar sementes, com exceção do gênero Chiroderma), o mutualismo é a interação que desperta mais interesse, devido à sua grande importância ecológica. Há duas formas básicas de mutualismo entre morcegos e plantas: a polinização e a dispersão de sementes.

Nectarivoria e Polinização


Na polinização, os morcegos visitam diversas flores em uma mesma noite à procura de néctar (ou pólen, em alguns casos), carregando os grãos de pólen de uma a outra, o que possibilita a reprodução  cruzada até mesmo a quilômetros de distância. Essa interação é muito importante para o processo de reprodução sexuada de algumas espécies vegetais, que por sua vez possibilita o fluxo gênico e, consequentemente, aumenta a variabilidade genética de cada população, tornando-as menos vulneráveis a doenças e perturbações. Na maior parte das vezes, quem participa da polinização aqui no Brasil são os morcegos filostomídeos da subfamília Glossophaginae, embora alguns Carolliinae e Phyllostominae também possam agir como polinizadores.

Morcegos glossofagíneos são tão especializados na nectarivoria, que uma espécie de Anoura do Equador pode ter a língua com 150% do tamanho do corpo, sendo guardada parcialmente na cavidade torácica! Veja o artigo sobre o "linguarudo" na revista Nature. Nos ambientes urbanos, é muito comum os morcegos nectarívoros se alimentarem também de fontes artificiais, por exemplo, água com açúcar em bebedouros de aves.

 

 

      


Artibeus lituratus & Caryocar
sp. (pequí)
© Rogério Gribel


Glossophaga soricina
& Caryocar sp. (pequí)
© Rogério Gribel


Leptonycteris
sp. & cactácea
© Merlin Tuttle, BCI


Glossophaga soricina
& bebedouro de aves
© Gabriel Lehto

 
Frugivoria e Dispersão de Sementes
 

A outra forma de mutualismo, a dispersão de sementes, é definida como o transporte de sementes para longe da planta que as originou. Esse processo é muito importante, por quatro razões básicas:

  1. ele aumenta as taxas de sobrevivência das sementes e as taxas de estabelecimento das plântulas, porque a mortalidade costuma ser bem maior perto planta-mãe, onde há mais ataques de patógenos e predadores;

  2. ele possibilita que as sementes sejam espalhadas por grandes áreas, aumentando a chance encontrarem locais propícios à germinação;

  3. o transporte e estabelecimento de indivíduos em populações diferentes favorece o fluxo gênico e o aumento da variabilidade genética, trazendo os benefícios já comentados anteriormente;

  4. todas essas vantagens conferidas às plantas dispersadas por morcegos alteram sua capacidade de competir por espaço nas florestas tropicais, alterando assim a própria estrutura e dinâmica desses sistemas.

    Desta forma, o processo de dispersão de sementes é fundamental na regeneração de áreas desmatadas, pois através dele sementes de plantas pioneiras podem chegar a clareiras e demais áreas abertas em florestas, dando início à sucessão ecológica. No Brasil, os principais envolvidos na dispersão se sementes são os morcegos filostomídeos das subfamílias Stenodermatinae e Carolliinae, porém alguns Phyllostominae e Glossophaginae também podem atuar como dispersores.

        
 


Artibeus jamaicencis
& Terminalia sp.
(chapéu-de-praia)
© Merlin Tuttle, BCI


Carollia perspicillata
& Piper sp.
(pimenteira, jaborandí)
© Merlin Tuttle, BCI


Sturnira li
lium
& Solanum rugosum
© Merlin Tuttle, BCI


Artibeus jamaicensis
& Terminalia cattapa
(chapéu-de-praia)
© Sávio Drummond

   
   
   
 





ARTIGOS

Para saber mais sobre as interações entre morcegos e frutos, baixe meu artigo "Morcegos e frutos: interação que gera florestas", publicado na Ciência Hoje de setembro de 2007.

Se quiser ler detalhes sobre as interações entre morcegos e piperáceas, leia meu artigo "Morcegos gostam de pimentas", que saiu na Ciência Hoje de dezembro de 2002.

 

 
 

Clique aqui para entrar no grupo frugivoria

Clique para entrar no grupo frugivoria

 
 
 
 
 
 
 
s