Sobre_pt.html
Imprensa.html
Recursos_pt.html
Home_pt.html
Start.html
 

Calma!


Muitas pessoas entram em contato comigo porque têm problemas com morcegos. Vale à pena lembrar que morcegos são essenciais para o meio ambiente, portanto devem ser respeitados. Apesar disso, morcegos e também outros animais silvestres podem causar transtornos quando em contato com humanos. Em alguns casos, o problema está apenas na falta de contato com a natureza, pois muitas pessoas não estão acostumadas ao contato direto com a fauna silvestre; com mais informações elas poderiam passar a apreciar a convivência. Em outros casos, o problema é real, tornando necessário buscar uma solução eficaz e ambientalmente adequada.

Atenção: Não me escreva pedindo para resolver problemas com morcegos! Eu trabalho apenas com morcegos em ambientes naturais, não estando autorizado a fazer manejo ou resolver problemas em cidades. Leia as orientações gerais dadas aqui, mas não deixe de procurar um órgão ambiental da sua cidade. Veja uma lista de profissionais qualificados para manejo de morcegos abaixo.

Profissionais a quem você pode pedir ajuda:

  1. Em todo o Brasil - Secretaria de Atendimento ao Público da Sociedade Brasileira para o Estudo de Quirópteros: https://www.sbeq.org/

  2. Porto Alegre, RS - Dra. Susi Missel Pacheco: batsusi@uol.com.br.

  3. São Paulo, SP - Dra. Miriam Sodré, Centro de Controle de Zoonoses: miriamm@PREFEITURA.SP.GOV.BR, (11)6224-5515.

  4. São José do Rio Preto, SP - Dra. Eliana Vicente: www.morcegosbrasileiros.com.br, (17)9134-3224.

  5. Rio de Janeiro, RJ - Prof. Dr. Carlos Esberárd, UFRuralRJ: cesberard@ufrrj.br

Importancia_pt.html
Tipos_pt.html
Abrigos_pt.html
Reproducao_pt.html
Sentidos_pt.html
Alimentacao_pt.html
Interacoes_pt.html
Fotos.html
FAQ_pt.html

VOCÊ ESTÁ TENDO PROBLEMAS COM MORCEGOS?

Qual é o problema?

Estes são os principais problemas que os morcegos costumam causar:

1. Ataque de morcegos-vampiros a animais de criação, como bois, cavalos, porcos e cachorros. Ocasionalmente, pessoas também podem ser atacadas;

2. Morcegos morando em construções humanas, como forros-de-telhado, telhas, vãos de dilatação de prédios, pontes, caixas de ar-condicionado ou outros locais;

3. Sujeira causada por fezes de morcegos em quintais e ruas.


O quê não fazer

1. Não tente solucionar o problema sem a ajuda de um profissional capacitado e autorizado por um órgão ambiental (por exemplo, CCZ, IBAMA ou ICMBio).

2. Não pegue morcegos ou nenhum outro animal silvestre com as mãos, principalmente se não estiverem protegidas por luvas resistentes. Pode-se pegar algumas doenças (como a raiva) através de mordidas, arranhões e saliva.

3. Não tente entrar no local onde os morcegos instalaram a colônia. O ambiente fica propício a doenças, por causa das fezes acumuladas no chão e dos fungos que crescem nelas. É crucial usar proteção especial (máscaras com duplo filtro, luvas, óculos etc.).

4. Não mate os morcegos! Eles são protegidos por lei e têm um papel fundamental no ambiente, inclusive nas cidades, onde comem insetos que transmitem doenças (como mosquitos).


O quê fazer

Você deve entrar em contato com um órgão ambiental que possa atender o seu caso, analisá-lo profissionalmente e propor uma solução eficaz, legal e ambientalmente correta. Morcegos e os demais animais silvestres são protegidos pela Lei de Proteção à Fauna (Lei Nº 5.197, de 3 de janeiro de 1967) e têm grande importância ambiental; portanto, matá-los sem autorização é crime e pode trazer prejuízos até mesmo às pessoas.

Além disso, o manejo feito por empresas charlatãs ou por amadores costuma piorar o problema. Não confie em soluções milagrosas, como repelentes de ultra-som ou cheiro, pois elas não tem comprovação científica e simplesmente não adiantam. Nunca use produtos químicos para afugentar ou matar os morcegos, pois eles também são tóxicos para pessoas! Costumam acontecer os seguintes problemas, quando se tenta resolver a questão por conta própria:

1. Mesmo matando-se ou desalojando-se os morcegos da colônia, outros vêm usar o mesmo local depois de alguns meses;

2. As pessoas acabam pegando doenças por entrarem em contato direto com os morcegos;

3. São feitos danos ao local, gerando um prejuízo maior do que o causado pela permanência dos morcegos.
Muitas vezes, quando morcegos habitam telhados, é necessário fazer pequenas reformas, de modo a evitar que eles consigam entrar novamente, após a remoção.

4. As pessoas se contaminam com os mesmos produtos químicos que usam para tentar afugentar os morcegos.

No caso de morcegos-vampiros, costuma-se vacinar os animais de criação e abrigá-los em locais protegidos durante a noite, seguindo cuidados específicos. Às vezes é necessário fazer o manejo da população de vampiros.

Quando o problema é a sujeira em paredes, pode ser necessário podar árvores do local, a fim de evitar que os morcegos comam seus frutos, ou que as usem como abrigo por morcegos.

Não haja por conta própria, entre em contato com o IBAMA, ICMBio, Centro de Controle de Zoonoses, Secretaria de Saúde ou Zoológico da sua cidade!

 

E se um morcego te mordeu?

Isso pode acontecer, quando uma pessoa tenta pegar um morcego com as mãos (mordida defensiva, em forma de furinhos) ou quando sofre um ataque de um morcego-vampiro durante o sono (mordida alimentar, em forma oval). A primeira coisa a fazer é lavar o local da ferida com água corrente e sabão. Logo em seguida, deve-se ir a um posto de saúde e tomar a vacina anti-rábica pós-exposição. Mordidas de morcegos, ou de quaisquer mamíferos silvestres (mesmo de cães e gatos urbanos), podem transmitir a raiva, que é uma doença aguda e letal, se não tratada.


Atenção: não tente manter um morcego em cativeiro como animal de estimação. Além de proibido por lei, isso é altamente complicado. Provavelmente o morcego acabará morrendo, porque você não conseguirá cuidar dele adequadamente (na maioria das vezes, a pessoa não é capaz sequer de identificar a espécie e existem pelo menos 172 no Brasil), ou então você se contaminará com alguma doença silvestre. Manter animais silvestres em cativeiro é uma atividade exclusiva de criadores conservacionistas e cientistas capacitados.

 


Manual do Instituto Pasteur, SP: Manejo de quirópteros em áreas urbanas.

Manual da FUNASA (Bredt 1996): Morcegos em áreas urbanas e rurais.